Dois meses e quase seis meses

IMG_2496

Vai fazer dois meses que estou trabalhando em um Macintosh. Não, para, peraí: Macintosh é vintage. Melhor: em um imac. Um Apple. E já acontece que quando reencontro meu PCzão velho de guerra estamos nos desentendendo. Estranho todos os atalhos, todos os comandos. Junto os dois dedos pra rolar a tela no touchpad e fico com raiva que ele não me entende. Vem comigo, PCzão, rola essa tela…
**
Vai fazer dois meses que estou trabalhando em um lugar em que só se fala de comida e de cozinhar. E cada vez mais acho que não faz sentido falar de qualquer outra coisa. Você engole essas coisas, bicho. Coloca esses nacos de comida na sua boca, mastiga e engole e caga. Vem cá: eles são mais importantes que o amor da sua vida. Porque por mais que você queira, você não engole (nem mastiga, nem caga) os amores da sua vida.
**
Vai fazer dois meses que estou trabalhando com pessoas novas e isso só faz reafirmar a extrema felicidade que tenho de conhecer pessoas novas. É como ganhar uma lanterna, a primeira lanterna que você ganha na vida, e descobre que pode iluminar esse canto aqui, aquele canto ali. A vantagem de conhecer gente nova depois de um tempo é que você já tem uns cantos iluminados e pode correr iluminar outros. Novos cantos iluminados. Com a outra vantagem ainda de que conforme a vida vai passando a luz dessa lanterna vai ganhando potência — e a gente ganha cada vez mais a capacidade de se encantar. Como é bom conhecer gente inteligente!
**
Vai fazer dois meses — e quinze anos — que eu trabalho com o que eu trabalho hoje. E se por um lado me dá uma curiosidade danada de entender como são outros trabalhos (quem não tem a fantasia de mudar?), por outro mais eu fico feliz de ter um trabalho que convida as cabeças a pensar junto, num bailão de habilidades. Eu amo a inteligência dos outros. Amo mesmo. Com o fundo do meu coraçã… Na-na-não. Com o fundo do meu cérebrinho.
**
Daqui 12 dias vai fazer seis meses que comecei um “Era uma vez…” que era pra ser conto de fadas, história de princesa, príncipe e espada e dragão cuspindo labaredas calorentas… e sobre isso ainda não tenho nenhuma conclusão charmosa para contar (embora o dragão continue cuspindo labaredas calorentas na boca do meu estômago). Agora, vem cá, vou dizer uma coisa: quando vier, quando eu conseguir formular… Segura, peão. Porque vai ser fuerte.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s