Arquivo da tag: floco de neve

Depois da queda, o choro

Depois de um longo inverno, voltei ao querido Pixlr.net

“No primeiro dia, tudo é estranho. É como Teresa e suas pernas estúpidas. O pé fica dolorido, e as pernas, bobas. No segundo dia, Teresa segue esquisita. Então chega o terceiro. Dizia o poeta: ‘Da terceira vez não vi mais nada. Os céus se misturaram com a terra’. Ele estava certo. Mas, não era terra, era neve.”

Eu descrevi assim, em texto publicado no caderno de Turismo da Folha em 2005, o meu tombo de snowboard. Esse tombo quebrou meu cóccix, apontado no lindo desenho de minha autoria aí em cima.

Foi uma dor igual àquelas de tombos de bicicleta na infância. E eu, que tinha então 24 anos, abri o berreiro. Chorei que nem criança quando cai, meio de dor meio de susto. Criança cai e chora. Adulto sente dor e morde o lábio. No máximo. Daí, quando vem uma dor dessas que faz chorar, esse choro de criança serve, acho eu, para dar vazão às coisas de adulto também, essas que ficam ali guardadas esperando um motivo concreto e inquestionável, no meu caso no cóccix, para sair. Tudo de uma vez só.

É como quando a Chihiro puxa o espinho do espírito (veja a cena abaixo).

Ali, deitada na neve, chorei pela dor infantil do cóccix quebrado e pela dor adulta de saber que eu não ia mais fazer manobras de snowboard naquela viagem.

1.242 caracteres com espaço

5 mil flocos de neve, um diferente do outro

Eu nunca tinha ouvido falar em Wilson Bentley. E se você também não, olha essa: o cara passou anos e anos e anos fotografando flocos de neve. Foram 5 mil registros microscópicos de flocos de neve. E tem toda aquela teoria de que cada floco de neve é único certo? Certo. Então veja o lado prático disso:

Aqui no Art Beat tem uma matéria sobre Snowflake Bentley, o apelido do cara. E tem o site sobre ele também, que é meio tosquinho. Agora, quer pirar, dá um Google Images no cara.

*

*

482 caracteres com espaço