Arquivo da tag: cowboy

Faroeste na madrugada

O bravo caubói prepara sua sela para o confronto antes da alvorada

Eu sou a sortuda bisneta do vô Juca. Eu até já falei dele aqui, em um post sobre borboletas no estômago. Ser a sortuda bisneta no vô Juca faz que eu tenha uma linda coleção de fotos de artistas do cinema mudo autografadas. São umas 20 fotos, de figuras como Gloria Swanson, Mary Pickford, William Hart, Harold Lloyd, Houdini e por aí vai. O vô Juca era louco por cinema e escrevia cartinhas para os estúdios de Hollywood pedindo fotos autografadas dos astros da época. E os caras mandavam as fotos pelo correio.

Mas essa introdução aí não é puro exibicionismo. É que hoje aconteceu uma coisa bem estranha. Foi que bem no prego que prende a foto do caubói (o nome dele parece ser William Farmani, mas sei lá), apareceu uma peninha. E agora nada me tira da cabeça que na madrugada, quando tudo está quietinho, Bill luta contra os comanches aqui na sala da minha casa. Pelo visto o comanche se deu mal, foi morto bem no prego e suas penas estão lá penduradas para servir de exemplo para os outros pele-vermelha.

As penas que sobraram do bravo comanche

1.007 caracteres com espaço

Uma pergunta, muitas respostas

O que Johnny Cash faria?

A resposta (uma lista de afazeres dele) está em leilão

via @Brancatelli

Özil, o mais lindo do faroeste

Estou impressionada. Desde que escrevi o post Özil: a Beleza Está nos Defeitos, há quase dez dias, não há um dia em que não apareça, entre os termos de busca que as pessoas usam para chegar até aqui, uma menção ao jogador, sempre acompanhada de um adjetivo. As mais usadas foram:

Ozil lindo
Também acho
Ozil e gato
Gato-to
Os gatos da copa Ozil
Os não, babe, O gato.
Oziil parece adrien brody
Concordo.
Ozil feio
Não fala assim…
Ozil jogador mais feio
Você não entendeu nada…

Pois em homenagem a toda essa procura, eu também procurei. Procurei até achar. E achei.
Aqui vai, para as fãs desse lindo jogador alemão, uma combinação daquelas. Uma combinação explosiva. Uma combinação não. A combinação: Özil + cowboy.

…Suspiro…

Pois é, como eu já disse aqui, cowboys são meu tipo masculino favorito. O strong silent type, o homem do faroeste, silencioso, viril, matador. O Ozil ainda precisa comer muito arroz com feijão para entrar de fato nessa categoria. Mas que ele ficou bem bonitinho à carater, ah isso ele ficou.

Home is where the heart is

Home, sweet home

O protagonista do filme para em um estacionamento, no meio do nada, onde há um bar. Ele entra no bar, tudo escuro, todos param de falar e olham para ele.

Um caubói, com o chapéu escondendo os olhos, sopra a fumaça do cigarro entre os dentes enquanto espera sua vez para dar uma tacada na mesa de sinuca, única coisa iluminada ali, ainda que o sol brilhe lá fora.

Da jukebox sai algum hit de Bruce Springsteen (embora na sua cabeça toque Bob Dylan ou Leonard Cohen). A bartender apóia a mão sobre o balcão e dispara, com o sotaque sulino: “O que você vai querer, babe”?

Ao protagonista só resta sentar ao balcão e tomar a cerveja local.

Em Atlanta, esse bar é o Lenny’s, o chope, Sweet Water, a bartender, Suzanne, e o caubói me foi apresentado como … Cowboy. E, bem, o protagonista, como não poderia deixar de ser, era eu.

O caubói chamado Cowboy

822 caracteres com espaço

PS1: Essa é uma versão reeditada de um texto meu publicado em agosto de 2008 no caderno de Turismo da Folha.
PS2: A primeira vez que fui ao Lenny’s, achei que tinha encontrado meu lugar nessa Terra. Na segunda, tive certeza. Agora o Ray diz que tudo mudou e o Lenny’s não é mais o mesmo.
PS3: Meus eternos agradecimentos ao Ray por ter me levado lá.