Goró, cigarros e paixões

As fotos deste post têm pouco a ver com ele, embora dê para traçar uma tangente. São uma série de fotos que dois alemães fizeram de comidas que largaram na pia da cozinha. Chama Küchendienst e dá pra ver mais aqui: http://cargocollective.com/slobo/Kuchendienst

As fotos deste post têm pouco a ver com ele, embora dê para traçar uma tangente. É uma série que dois alemães fizeram de comidas que mofaram. Chama Küchendienst e dá pra ver mais aqui: http://cargocollective.com/slobo/Kuchendienst

Eu tinha dezenove anos, era repórter da coluna social, entrava no trabalho às 14h. Deixava minha mochila, pegava um café e saía ligando para as celebridades para perguntar qualquer coisa que pudesse render uma notinha. Liguei pra Angela Ro Ro. Ela atendeu com uma voz das cavernas. Leia todas as frases dela com voz das cavernas:

Ro Ro – Alô.
Eu – Alô, é Angela?
Ro Ro – Sim.
Eu – Oi, Angela, aqui é Heloisa, repórter da coluna Olá, do jornal Agora. Estou te ligando para saber as novidades.
(Observação: essa frase parece estúpida, mas quando você cobre celebridades, é a deixa para a pessoa falar de “projetos”, contratos possíveis, daquilo que ela quer falar. E depois você emenda com as perguntas que de fato quer fazer. É tipo um “tudo bem?” nesse mundo. Ou pelo menos era 15 anos atrás.)
Ro Ro – Novidades? A novidade é que larguei o kit-suicídio.
Eu – … kit-suicídio?
Ro Ro – Álcool, cigarro, drogas, remédios.

Ela tava com 51 anos. Eu não lembro o resto da conversa. Nem posso garantir que tenha sido assim mesmo. Mas em linhas gerais foi. (E, infelizmente, virou uma notinha ou frase ou qualquer coisa do gênero, para que qualquer um pudesse ler, graças a mim.)

Sempre imaginei Ro Ro deitada na cama, tateando o criado-mudo atrás do telefone que tocava, acordando, grunhindo, tossindo, lamentando que alguém interrompia seu sono. E lamento até hoje ter interrompido seu sono. Pra mim, até hoje, aquela é uma voz de ressaca. Mas talvez fosse ressaca de mar. Porque, afinal, ela não estava mais bebendo. Eu acredito nas pessoas (e acho mesmo que isso não é da nossa conta).

Desde então eu tenho um carinho especial por Ro Ro. Ela me deu um tempo. Um prazo. Posso quebrar, cair, rasgar, torcer, chafurdar. Ainda dá tempo de largar o kit-suicídio (no meu caso, I don’t do drugs, ao menos não as prescritas nem as proibidas). Eu sei bem qual é o meu kit. Para os mais conservadores, é álcool e cigarro (transformei um em profissão e o outro em vício; vejo um como cultura, gastronomia, e o outro como cagada mesmo). Mas para mim, o meu fraco mesmo é o desgoverno.

kuechendienst1

As vezes em que estive mais perto do fundo foram aquelas em que me deixei desgovernar por paixões. Ao mesmo tempo, e aí é que está o truque, depois do caos sempre sai uma versão melhor de mim. Mais esperta, com camadas novas, como qualquer coisa que se deixa apodrecer um pouquinho, queijo maturado, vinho de guarda, carne dry-aged, faisandée (nada como ver beleza no envelhecimento).

Continuo acreditando nisso, tô com 34, tenho carne, pele, viço para gastar. Mas se quando tiver 51 e estiver deitada na cama e uma repórter ligar e me perguntar quais as novas e se eu tiver decidido largar meu kit-suicídio e ela me perguntar “kit-suicídio?” vou dizer:

– Goró, tabaco e paixões.

Ainda faltam 17 anos para eu ter os 51 anos que Ro Ro tinha. E nós nem sabemos se de fato ela largou o kit (embora o fato de que esteja viva aponte para que sim). Tenho pelo menos mais dezessete anos para beber, fumar e apaixonar.

2.965 caracteres com espaço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s