Angela, a ariranha, as baleias e eu

Quando faltavam oito meses para eu completar 30 anos eu decidi que era hora de começar uma coleção de arte. Eu estava convivendo há um mês com as paredes recém-esvaziadas da minha casa. E cheguei à conclusão de que era preciso olhar para isso.

Eu, a Santa e a Lu fomos passar o fim de semana na praia. Em uma casa cheia de obras de arte. E a Santa é artista plástica. E a gente não tinha muita coisa pra fazer além de ficar panguando, então inventamos uma brincadeira que era assim: de todas essas obras, qual você teria? E qual não teria? E a coisa foi indo.

Então passamos um tempo discutindo qual seria a minha primeira obra de arte, qual artista teria o papel de ser o primeiro a entrar para a minha nascente coleção?

Pensei, pensei e pensei e fiquei muito feliz quando enfim decidi que a primeira obra de arte da minha coleção (que continua tendo apenas uma obra) seria da Angela Leite.

Eu sou fã da Angela há muito tempo. Desde 2003, quando fiz uma entrevista com ela para uma reportagem sobre o Pantanal (um dos meus lugares favoritos do mundo, para o qual vou voltar daqui a uma semana, nas minhas férias). Ela mistura as duas coisas mais importantes do mundo (arte e natureza) em uma obra de vida inteira. Ela é muito inteira. E faz xilogravuras e desenhos da fauna e da flora brasileira que eu acho que todo mundo deveria ver. Ao menos ver. Porque na verdade eu acho que todo mundo deveria ter a sua planta favorita ou seu bicho de predileção na sala de casa, para lembrar que eles precisam continuar existindo fora da parede da sala.

Eu tenho uma ariranha. A mais linda ariranha. Ganhei de presente da minha mãe no meu aniversário de 30 anos. Alguns meses antes a gente tinha ido a Corumbá e passeando pelo rio Paraguai demos com um ninho de ariranha, que ficaram putas e expulsaram a gente de lá.

Agora quero também o pirarurucu, os brotos da mata, o pequi e o almecegueiro. E todas as baleias (que fazem parte de um outro episódio muito emocionante, em que em uma edição sobre observação de baleias, do caderno de Turismo da Folha, todas as páginas começavam com lindas baleias desenhadas pela Angela). As baleias, ou melhor, os cetáceos, são o tema da exposição da Angela que vai até setembro na Galeria Gravura Brasileira, na rua Franco da Rocha, 61, em Perdizes. É claro que eu acho que todo mundo deveria ir. E ver. Porque na verdade eu acho que todo mundo deveria ter um pouco de natureza e arte em casa. Ah é, já disse isso.

 

2.516 caracteres com espaço

3 Respostas para “Angela, a ariranha, as baleias e eu

  1. Então…assistindo o Saia Justa ontem no GNT.
    Vi você falar sobre o blog.Fiquei curiosa…passei pra visitar e adooorei o conteúdo e o bom humor argumentado aqui.
    Beijos
    Até.

  2. A situação daqui não é lá muito diferente.
    Casei e me mudei desde janeiro. A casa, infelizmente, não contém paredes brancas: e eu detesto (com toda a sinceridade do mundo) as paredes daqui, em amarelo-ocre. O quarto é azul, e acho singelo. Quero pintar tudo de branco e escolher uma obra de arte dessas para minha casa.
    Valeu pela dica.
    Abraços.

  3. Tembem te vi no saia justa!
    Tava otima.
    Adorei o blog.
    beijos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s