Sexta rodada

Para entender que papo de rodadas é esse, leia aqui.

Só que essa rodada é diferente. O Horta anunciou a mudança.

Agora é outro jogo, qual vinho exprimiria o azul Klein?

A mudança veio a calhar. Uns poucos dias antes, eu havia sido criticada por meus amigos por brincar essa brincadeira hermética de vinho e arte sem explicar nada para ninguém. Agora, nessa nova modadalidade, tudo fica mais explicado. E, que coincidência, eu tinha pensado em fazer justo algo assim. Acompanhe.

Eu: Pensei em fazer isso ontem! Com um Richard Serra! E, olha que louco, o Horta logo comentou que ia colocar o Richard Serra na jogada, harmonizado com um Pedro Ximenez. Mas depois a gente volta a isso.

Porque o que importa neste post aqui é processo. E eu comecei o quebra-cabeça: Azul Klein…. É certamente um vinho intenso. E tem que ter alguma coisa de nudez nele também. Já que o Klein pirava numa peladinha. Tem algum vinho que de tão tinto e retinto seja meio azul? Ou que tenha gosto de azul de tão tinto? Porque azul Klein não é vinho branco, né?

Horta: Vinho quase azul, hum…tenho que pensar

Continuei: Ei, azul Klein tem alguma coisa aveludada. Tem vinho aveludado, tem não? Tem sim. Um vinho azul Klein é aveludado.

Horta: Aveludado sim! Está tá dificil, hein? Não deixei de pensar no vinho Rauschenberg que você propos. (Depois a gente volta no vinho Rauschenberg.)

Passaram-se uns dias, teve degustação no meio (foi mágico, depois eu conto aqui), gripei, veio o fim de semana, mas ainda era preciso fechar a rodada.

Eu voltei à baila: Horta, a gente ainda precisa decidir que vinho é o azul Klein. O Alexandre Bronzatto sugeriu, na quarta, que aquele porto que ele levou, um vintage Quinta do Crasto, poderia ser uma. Eu tinha pensado em um banyuls… O azul Klein é um vinho de sobremesa?

Essa história de Bronzatto e Quinta do Crasto tem a ver com a degustação. O Bronza levou um porto vintage e deu sua cartada: eu trouxe um vinho aí que pode ser o azul Klein.

Rá.

Horta: Ha! Sabia que você não ia desistir assim! Não sei, azul Klein será sobremesa? Estou pensando.

Pois é, respondi: Eu também não sei…. Eu acho que está mais pra um tinto retinto.

Horta: Sim, um tinto retinto, bem profundo, acho que Tannat é das uvas mais escuras, mas os Cahors, de onde sai a Malbec original também, os vins negres de Cahors, acho que é por aí.

Ui, viu. Eu preciso estudar. Não sei o que é Cahors. Ontem eu dei uma estudadinha porque o Horta andou falando de uns tais Tondonia. Daí eu fui pesquisar pra sacar qual era. E aprendi um bocado. Como, por exemplo, que a uva tempranillo, “como su propio nombre indica, es ‘uva temprana’ con ciclo corto de maduración”. Olha só.

Bom, eis que o Bronza voltou ao papo. Aliás, bem-vindo, Bronza: Aquele não funcionou, mas insisto no Douro. Talvez um Vintage novo, recém engarrafado, violeta no aroma e na cor. Ou então, pra seguir a linha dos tintos retintos profundos, nem de produtor precisamos mudar; dou nome e safra, um dos meus vinhos preferidos: Vinha da Ponte 2007.

O Horta achou bom: Ok, Bronza, você venceu. Vamos de tinto retinto do Douro.

E se o Horta disse que tá valendo é porque tá valendo.

Azul Klein é um tinto retinto do Douro, com nome e sobrenome, Vinha da Ponte, Quinta do Crasto, 2007.

Próxima!

Pra ver todas as rodadas, clique aqui.

3.074 caracteres com espaço

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s