Depois da queda, o choro

Depois de um longo inverno, voltei ao querido Pixlr.net

“No primeiro dia, tudo é estranho. É como Teresa e suas pernas estúpidas. O pé fica dolorido, e as pernas, bobas. No segundo dia, Teresa segue esquisita. Então chega o terceiro. Dizia o poeta: ‘Da terceira vez não vi mais nada. Os céus se misturaram com a terra’. Ele estava certo. Mas, não era terra, era neve.”

Eu descrevi assim, em texto publicado no caderno de Turismo da Folha em 2005, o meu tombo de snowboard. Esse tombo quebrou meu cóccix, apontado no lindo desenho de minha autoria aí em cima.

Foi uma dor igual àquelas de tombos de bicicleta na infância. E eu, que tinha então 24 anos, abri o berreiro. Chorei que nem criança quando cai, meio de dor meio de susto. Criança cai e chora. Adulto sente dor e morde o lábio. No máximo. Daí, quando vem uma dor dessas que faz chorar, esse choro de criança serve, acho eu, para dar vazão às coisas de adulto também, essas que ficam ali guardadas esperando um motivo concreto e inquestionável, no meu caso no cóccix, para sair. Tudo de uma vez só.

É como quando a Chihiro puxa o espinho do espírito (veja a cena abaixo).

Ali, deitada na neve, chorei pela dor infantil do cóccix quebrado e pela dor adulta de saber que eu não ia mais fazer manobras de snowboard naquela viagem.

1.242 caracteres com espaço

Anúncios

Uma resposta para “Depois da queda, o choro

  1. Pingback: A busca pela vocação | Caracteres com espaco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s