Auto cárcere privado privado

A minha casa é toda meio velha. O prédio tem mais de 80 anos e, dizem por aí, é o primeiro prédio residencial de SP. Eu sou adepta do predinho antiguinho. Ache isso um clichê, eu acho isso um charme.

Vai, paga um pau pro meu elevador

Morar em um prédio antiguinho tem vantagens e desvantagens. E ontem eu fui prisioneira de uma delas, das desvantagens, digo. É que quando você adota esse estilo de vida começa a tolerar coisas como janelas que não fecham e portas que não abrem, sigo.

Este, por exemplo, é o trinco do banheiro

Daí que ontem, quando caiu aquele temporal, eu resolvi dar um tempo em casa para não me encharcar no caminho para o trabalho. Entrei o escritório e… bum, a porta bateu. Não seria nada demais, bastaria abrir a porta. Se a maçaneta estivesse lá. Ela não estava.

Maçanetaaaaaa? Maçanetaaaaaaa? Cadê?

Não que isso não tivesse acontecido antes. Vive acontecendo, mas nunca eu tinha ficado do lado de dentro. Eu sempre estive do lado de fora. E lá estava eu, às 14h, em cárcere privado-privado, em auto-cativeiro. Trancada do lado de dentro do meu escritório.

A maçaneta sem maçaneta fica apenas um pino, como pode ser visto na foto.

Há duas soluções possíveis. A primeira: tentar expulsar o pino para colocar ali outro objeto e girar a lingueta. A segunda: tentar girar o pino. A segunda é a lusitana, e, pois, a que eu tentei ao longo de horas, ou melhor, de dezenas de minutos.

Primeiro, eu tentei usar as minhas limas de joalheria. Eu comprei esses curiosos artefatos obrigatoriamente para aulas de joalheria (um inferno) na faculdade. Elas são muito afiadas na ponta e são boas lixas, então hoje uso para quase tudo que precise ser cutucado, desgastado, destruído, torturado etc.

Afiadas e enferrujadas, essas limas são muito úteis

Já sei, você vai perguntar: mas como você tentou girar o pino usando limas? É mais ridículo do que isso. Eu tentei usar as limas para girar a lingueta por meio do buraco da chave. Certo? Certo. Passado é passado. Vamos seguir adiante.

A segunda tentativa foi usar a espátula de tinta. Que eu também fui obrigada a comprar durante a faculdade. E perceba: eu estava trancada no escritório, não em uma ferramentaria. Eu não tinha um alicate e ponto final. Pois bem, eu não lembro exatamente o que eu tentei fazer com a espátula.

Daí veio a melhor ideia de todas: o velho apontador de lápis de manivela. E essa foi quase-quase… O apontador de manivela tem umas garrinhas para prender o lápis. Eu consegui fazer essas garrinhas prenderem no pino e comecei a girar o apontador. A linguetinha foi indo, foi iiindo e foi… e girou em falso. Faltava pouco, faltavam milímetros….

Foi quase, juro, faltou muito pouco

Então eu desisti da maçaneta e comecei a traçar outro plano. A ideia parece engenhosa mas é simples: ligar a um vizinho, pedir para ele ir até a calçada (sob a tempestade), atirar a minha chave para ele. Aí o vizinho vem até minha casa e me liberta do cativeiro double privé.

Olha esse modelo de maçaneta que tem aqui nas portas

Acontece que eu só tenho três vizinhos: o do 21, o do 24 e o do 26. O 22 é vazio, o 23 sou eu e o 25 está à venda. E nenhum dos três estava em casa. Ó, céus cruéis. A solução, no fim, foi muito simples, o Dani, meu marido, veio para casa e me libertou.

Por mil milhares de milhões de raios e trovões!

3.244 caracteres com espaço

Anúncios

7 Respostas para “Auto cárcere privado privado

  1. Chorei lágrimas de sangue com o seu post. Sou extremamente claustrofóbica, e uma vez fiquei trancada no meu quarto e quebrei a porta para poder sair. Quebrei mesmo, com uma tesoura e um outro negócio que usei pra apoiar, fiz um buraco e alcancei a chave. A porta era bem vagabunda, foi minha sorte.

  2. eu teria ligado pro dani antes, pois ele já me disse que visitaria presos, contanto que seja no bairro…

  3. hehehe, do modo como contou até parece que foi bem divertido tudo isso!XD
    gosto muito de como escreve, continue assim!(y)

  4. Capitão Haddock!

  5. juro que não quero tirar o foco do post, mas não resisto: o que tá vazio tá pra lugar? e o que tá à venda custa quanto?

  6. Magda Cristina

    amei!!que aventura!!!filha de engenheiro e sempre muito criativa,mas a do apontador foi genial!!

  7. Pingback: A pia de ágata « Caracteres com espaco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s